Notcias

Voltar

Com inflao de 10% ao ano, novos empregos pagam 1% menos, diz Ministrio do Trabalho

28/10/2021

Se for levado em conta o valor da gasolina, salário médio de recém-contratados compra 23% menos combustível do que em abril

Mesmo ao anunciar dados positivos sobre a criação de vagas formais de emprego no país, o Ministério do Trabalho teve que reconhecer, na entrevista coletiva de terça-feira (26), que os novos contratados ganham cada vez menos. O salário médio de admissão no território nacional vem caindo desde abril de 2021, quando era de R$ 1.943,59. Desde então, ao mesmo tempo em que o gráfico da inflação sobe vertiginosamente, os valores pagos no primeiro holerite ficam cada vez mais esquálidos, fechando setembro em R$ 1.795,46.

Comparado a agosto, houve redução real de R$ 18,11 (ou cerca de 1%) no salário médio de R$ 1.813,57. Nos mesmos cinco meses em que o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério da Economia, registrou queda de 9,2% nos rendimentos dos trabalhadores recém-contratados, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), medidor oficial da inflação, acumulou 7,15% de elevação.

Para trazer o drama para o nosso cotidiano, e levando em conta não o IPCA, mas o custo da gasolina comum, a situação fica mais clara. Em cinco meses, o brasileiro perdeu a capacidade de colocar 74 litros do combustível no tanque de seu veículo.

Em abril de 2021, um trabalhador que ganhava o salário de R$ 1.943,59 colocava 356 litros do combustível — R$ 5,753 era o preço médio nas bombas dos postos brasileiros, segundo a ANP (Agência Nacional de Petróleo). Com a gasolina a R% 6,361, último levantamento da ANP, relativo à semana passada, e o rendimento de R$ 1.795,46, coloca-se 282 litros, 23% menos.


O setor que teve a maior redução nos salários iniciais foi o dos trabalhadores domésticos, com 11,38% de perda. Em setembro, ganharam R$ 1.314,65. O secretário de Trabalho do ministério, Luis Felipe Batista de Oliveira, afirmou que a queda de 1% nos rendimentos dos novos contratados pode ser explicada porque as pessoas com pouca qualificação que perderam o emprego no início da pandemia de Covd-19 começam a voltar ao mercado, e são trabalhadores que tradicionalmente ganham menos.

Com informações: correiodopovo.com.br

Assistncia

Gostaria de receber mais informaes do nosso portal por e-mail?

Panorama