Notcias

Voltar

Bolsonaro rebate crtica sobre reduo de imposto em ano eleitoral

13/05/2022

Ministério da Economia anunciou, na quarta-feira, que vai zerar cobrança de taxa de importação em sete produtos

O presidente Jair Bolsonaro usou as redes sociais, nesta quinta-feira, para rebater um usuário do Twitter que perguntou se é normal zerar impostos sobre produtos em ano eleitoral. O chefe do Executivo tentará a reeleição nas eleições deste ano. "As reduções realizadas em 2022 são apenas a continuidade de uma política permanente, que só foi possível graças às reformas estruturais que promovemos na maneira de governar o Brasil, com responsabilidade fiscal, indicações técnicas, redução de gastos etc.", respondeu Bolsonaro.

O presidente citou ainda medidas tomadas em anos anteriores para distribuidoras de energia elétrica, produtos fabricados no Mercosul e itens e equipamentos usados no combate à pandemia de Covid-19.

Na última quarta-feira, o Ministério da Economia anunciou que vai zerar o imposto de importação de sete produtos alimentícios. As alíquotas para comprar os itens no mercado externo variavam entre 7,2% e 16,2%. A medida faz parte de uma política de abertura gradual da economia, que visa incentivar a concorrência interna e, assim, forçar os produtores nacionais a baixar os preços.

Recentemente, o governo publicou também decreto que ampliou a redução na alíquota de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) de 25% para 35%. Dentre os itens atingidos estão máquina de lavar e geladeira. O governo também retirou do corte produtos na Zona Franca de Manaus. A medida, no entanto, foi questionada por partido político junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), com o argumento que a redução da carga tributária do IPI altera o equilíbrio competitivo e afronta a proteção constitucional da zona franca.

O ministro Alexandre de Moraes, então, suspendeu a redução do imposto sobre mercadorias que são produzidas em todo o país e são concorrentes dos itens fabricados na Zona Franca de Manaus. Bolsonaro, por sua vez, criticou a decisão do magistrado e disse que Moraes "infelizmente" suspendeu a cobrança do imposto. "Quando eu cortei o IPI, por exemplo, ia subir muita coisa: veículo, motocicleta, linha branca. Quando baixei o IPI, quer dizer, na ponta da linha abaixou o preço no mercado, mas não subiu. Infelizmente, o Supremo derrubou. Supremo, não, Alexandre de Moraes derrubou parte do IPI", disse o presidente durante conversa com apoiadores.

Com informações: correiodopovo.com.br

Assistncia

Gostaria de receber mais informaes do nosso portal por e-mail?

Panorama